Após determinação na última quarta-feira, 2/12, MEC volta atrás da decisão de retorno às aulas em janeiro. #PraCegoVer frente do Campus Anglo da UFPEL.

Durou menos de 48 horas a determinação do Ministério da Educação de retomar o ensino presencial das universidades federais do país no dia 4 de janeiro de 2021, como definido na portaria divulgada na quarta-feira, dia 02/12.

O Ministério da Educação (MEC) publicou a Portaria Nº1030 no Diário Oficial afirmando que as universidades federais deveriam voltar às aulas presenciais a partir do dia 4 de janeiro. Afirmando, ainda, que as atividades digitais deveriam ocorrer apenas de “forma a complementar” o ensino. 

A medida surgiu em um momento delicado, em que o Brasil enfrenta o aumento no número de casos de infectados por Covid-19. A situação de muitos hospitais no país é de falta de vagas em leitos públicos, fator preocupante frente à deliberação do ministro.

A repercussão da decisão foi negativa e a medida duramente criticada pelas instituições de ensino e especialistas, que afirmaram que a medida era inconstitucional, fazendo com que o governo voltasse atrás. O ministro ressaltou que abrirá uma consulta pública para ouvir o mundo acadêmico antes de tomar uma nova decisão.

Milton Ribeiro, ministro da educação, falou à CNN Brasil que não esperava tanta resistência frente à decisão de retorno às aulas: “quero abrir uma consulta pública para ouvir o mundo acadêmico. As escolas não estavam preparadas, faltava planejamento”. Segundo a CNN, o ministro pretende abrir uma consulta pública para discutir a problemática.  

Entre as universidades que recusaram a volta às aulas de modo presencial está a UFPel (Universidade Federal de Pelotas), uma das principais universidades do país, com diversas pesquisas científicas a respeito do Coronavírus. Em nota, a universidade afirmou que seguirá priorizando o cuidado à vida e à segurança de seus alunos e servidores e adotará todas as medidas necessárias para isso. 

A universidade também ressaltou que foram criados grupos de trabalho, com representação de toda comunidade acadêmica, para elaborar um plano de retorno às aulas no momento e na forma ideal que devem ser as atividades presenciais.

Ricardo Fares
Autor

Administrador, formado pela Universidade Federal do Rio Grande e com MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Atua diretamente na área comercial de aluguéis como Gestor, oportunizando novos negócios e reforçando as soluções que a Fuhro Souto tem a oferecer aos seus clientes e parceiros.

Escrever Comentário