Nesta quarta-feira (02/12), o Ministério da Educação (MEC) publicou um decreto que determina as universidades federais a retomarem as atividades de forma presencial a partir do dia 4 de janeiro de 2021, utilizando o sistema de ensino a distância (EAD) apenas como forma de complementar as atividades presenciais. 

Porém, o MEC é foco de críticas por tomar essa decisão em um momento tão desfavorável, em que o país enfrenta um aumento significativo de casos de infectados por Covid-19. A média nacional de mortes, que estava em queda desde outubro, cresceu 35% em relação à semana passada, aproximando-se de 700 falecimentos diários pelo vírus. 

A intenção do Governo Federal é estimular a volta presencial nas escolas e universidades, com o devido cuidado para que os alunos e professores não se contaminem. Para isso, o definiu que, para retomar as atividades presenciais, as faculdades terão de adotar um protocolo de biossegurança, definido na Portaria Mec nº 572, 1º de julho de 2020.

No entanto, depois de muito trabalho e tempo para adaptar a comunidade acadêmica ao EAD, a decisão do Governo Federal é vista com maus olhos perante os reitores das universidades e profissionais da educação, já que, segundo eles, o sistema não comporta todos os alunos e não é o momento certo para realizar o retorno. 

O reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), João Carlos Salles, expressou sua indignação chamando a decisão de “absurda” e disse que recorrerá a qualquer meio, caso necessário, para reverter a decisão. 

Mesmo que haja uma redução no número de casos, os secretários da educação também mostram ser contras a decisão. Eles afirmam que as universidades não possuem estrutura para comportar todos os alunos e seguir o protocolo de distanciamento nas salas de aula, que é de 1,5 m um do outro.

Ricardo Fares
Autor

Administrador, formado pela Universidade Federal do Rio Grande e com MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Atua diretamente na área comercial de aluguéis como Gestor, oportunizando novos negócios e reforçando as soluções que a Fuhro Souto tem a oferecer aos seus clientes e parceiros.

Escrever Comentário